Uma glória para sempre: os nomes das sacerdotisas, exibidos à vista de todos.

Os dados coletados há mais de uma década no livro de J. B. Connelly demonstram que as funções das sacerdotisas permitiram que essas mulheres ganhassem uma visibilidade e um reconhecimento público a ponto de os seus contemporâneos julgarem digno de que esses fossem “para sempre”:

The names of priestesses were inscribed on their statue bases and dedications as well as on the statue bases and dedications of individuals who served their cults during their tenures. The practice of civic eponymy ensured that priestly women, and their contributions, would never be forgotten. (…) In the face of this evidence, it may be time to reconsider the consensus view that the names of respectable women were to be avoided. While this may have been true for certain orators and in some settings, such as the law courts, the case muting the names of citizen women has, perhaps, been overstated. A privileging of certain textx fueled this view, such as the funeral speech attributed to Perikles by Thucydides (2.42.2) in which the Athenian war widows are told that the less said about them, the better.

[Os nomes das sacerdotisas foram inscritos sobre as bases das estátuas e nas dedicações, bem como sobre as bases das estátuas e dedicações daqueles que prestavam os seus cultos durante os seus mandatos. As ações de eponimia cívica asseguravam que as sacerdotisas e as suas contribuições nunca seriam esquecidas. (…) Diante dessa evidência, pode ser a hora de reconsiderar o consenso de que os nomes das mulheres respeitáveis ​​eram evitados. Considerando que isso pode ter sido verdade para certos oradores e em alguns locais, como os tribunais, o caso do emudecimento dos nomes das mulheres cidadãs foi, talvez, exagerado. O privilégio de certos textos alimentou essa visão, como o discurso fúnebre atribuído a Péricles por Tucídides (2.42.2), no qual as viúvas da guerra ateniense são informadas de que quanto menos se fala delas, melhor.

 
Joan B. Connelly, Portrait of a Priestess. Women and Ritual in Ancient Greece [Retrato de uma Sacerdotisa: Mulheres e Ritual na Grécia Antiga], Princeton University Press, Princeton & Oxford, 2007, p. 58-59.

Violaine Sebillotte Cuchet


Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Adelson diz:

    Como é bom descobrir o valor da mulher.
    Infelizmente elas continuam escondidas.

  2. Filipe Barros diz:

    Excelente, Parabens

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.